Blog   EPIs   11 de dezembro de 2020

Riscos Térmicos: Qual luva escolher? Veja a EN 407

Tempo de Leitura: 6 minutos
Riscos Térmicos

Os riscos térmicos são um tema essencial e de extrema importância para todas as empresas, prestadores de serviços e muitos outros indivíduos.

Com isso em mente, é preciso entender exatamente o que isso tudo significa, o que diz a EN 407 bem como qual a melhor luva que você deveria escolher.

Boa leitura!

Riscos Térmicos – O que São?

Para dar início a esse post, é interessante pensar que riscos térmicos são quaisquer tipos de desconfortos ou alterações causadas pela mudança da temperatura.

Seguindo a definição de Belding, essas situações térmicas ou de calor, são capazes de desencadear uma série de reações físicas, desde o aumento no batimento cardíaco ou até mesmo queimaduras.

Dessa maneira, pode consistir em um desconforto ou mesmo em um acidente e lesão grave.

Sendo assim, o cuidado mais comum para lidar com os riscos térmicos são as luvas, já que grande parte do trabalho tem como meio de contato principal as mãos.

Exemplo disso são funcionários que trabalham em fundição ou mesmo com fornos.

Vale destacar ainda que, devido a rotina de trabalho, você pode acabar demorando para perceber o tipo de risco que está correndo ou mesmo quais acidentes poderiam acontecer devido à falta de cuidado ou uso adequado dos materiais de proteção.

Mais importante que isso, os riscos térmicos são uma realidade mesmo com o uso de luvas, quando inadequadas, ou mesmo sem o contato direto.

Em outras palavras, apenas o calor, sem o contato com as chamas, já pode resultar em queimaduras graves.

Neste cenário, vale a pena destacar que o risco pode acontecer de três principais maneiras:

  • Contato: quando ocorre um contato direto entre a pele/item de proteção e o item que emite o calor;
  • Radiação: que são as fontes que emitem essa radiação e que podem se manter espalhadas pelo ambiente por um determinado tempo;
  • Convecção: que é quando o calor de algo se espalha pelo ambiente decorrente da mudança do estado do material, como quando se derrete um metal.

Além desses, existem outras maneiras, como o contato com respingos ou massas de metal fundido e resistência a chamas.

Entenda a EN 407

Riscos Térmicos

Enfim, a EN 407 é definida como a norma que garante que todos os indivíduos que fazem uso de alguMa luva de segurança saibam qual é a melhor opção a ser utilizada.

Como resultado, funciona como um tipo de guia que garante a proteção do colaborador em qualquer situação que tenha riscos térmicos.

Assim, da mesma maneira que alguns trabalhos exigem o uso de macacões especiais, alguns trabalham necessitam de luvas, que são avaliadas de acordo com o nível de proteção.

Portanto, o nível começa com o número 1, que seriam as luvas que oferecem menor proteção, e vão até o número 4, que são as que oferecem maior proteção.

Para que uma luva se enquadre em qualquer um dos números, existem uma série de informações que precisam ser analisadas como:

  • Resistência a chamas;
  • Resistência ao calor de contato;
  • Proteção em relação a radiação;
  • Proteção contra pequenos respingos de metal;
  • Resistência ao contato com grandes massas de metas, entre outras.

Logo, para ser uma luva de nível 4, é preciso que seja comprovado que aquele item é capaz de cumprir com todos esses requisitos definidos pela norma.

Importante

De acordo com uma pesquisa do Ministério do Trabalho, as mãos estão entre as principais áreas do corpo humano que se envolve em algum tipo de acidente, seja no trabalho ou não.

Ao mesmo tempo, as luvas estão entre os materiais de segurança mais usados no mundo.

Com base nisso, dá para ter uma ideia do quão importante é conhecer as normas de segurança das luvas, riscos do seu trabalho bem como meios de evitar esses acidentes.

Riscos térmicos – Como escolher as melhores Luvas?

Riscos Térmicos

Por fim, você sabe exatamente qual luva deveria escolher considerando o trabalho ou a atividade que vai desempenhar em uma empresa?

Então, todas as luvas do mercado podem ser utilizadas para algum fim de trabalho.

Entretanto, o que diferencia a escolha são os fatores de riscos aos quais você estará exposto enquanto está na indústria.

Com isso em mente, o mais comum é avaliar três pilares:

1) Aplicação

A aplicação se refere ao que você vai fazer com aquela luva, ou seja, qual o tipo de atividade que vai desempenhar.

Conhecer exatamente o tipo de atividade permite que você identifique os principais riscos térmicos ligados a ela.

Por exemplo, suponha que você vá trabalhar em uma indústria de fundição de ferro, para mover os metais derretidos.

Neste caso, a aplicação das luvas deve garantir que pequenos respingos ou contato com massa de metal nas luvas não representa um verdadeiro risco.

Por outro lado, se você vai mexer com algum forno, a aplicação envolve chamas e, por isso, as luvas precisam resistir a esse tipo de calor.

2) Riscos Ambientais

Os riscos ambientais existem de forma parecida com a aplicação, considerando o tipo de atividades e o que ela gera.

Por exemplo, ao mexer com alguns metais ou outros elementos, é possível espalhar radiação pelo local de trabalho ou mesmo aumentar o nível de gases.

Ao mesmo tempo, os riscos ambientais precisam ser pensados de acordo com o modo como você se movimenta e o que precisa tocar.

De maneira geral, quanto maior a zona de contato em materiais térmicos e menor o espaço, maiores as chances de acidentes.

Outras questões também podem ser avaliadas em relação ao ambiente, como a facilidade de manusear determinados objetivos, abrir portas e assim por diante.

Inclusive, se quiser conhecer os limites de tolerância para o ruído, vale a pena conferir esse outro post aqui!

3) Riscos Térmicos e Conforto

Por fim, o terceiro pilar se refere ao conforto, o que pode gerar uma dúvida na hora de fazer a compra de um bom par de luvas.

Isso porque, alguns trabalhadores acreditam que é preciso ter mais flexibilidade e acabam escolhendo a luva errada.

Portanto, é preciso os riscos térmicos para que o seu conforto também envolva segurança.

Um exemplo clássico de problema ao escolher luvas é aquela que faz a pele transpirar demais.

Afinal, as chances de você retirar as luvas crescem e, com isso, o risco de sofrer algum tipo de queimadura ou contato com locais quentes/contaminados.

Escolhendo a sua Luva de Segurança

Para fazer a escolha da sua luva, é preciso analisar o chamado de pictograma, que são uma série de letras que definem a proteção daquele material.

Assim, se os riscos térmicos envolvem calor, o código alfabético que deve estar nas informações da luva e seus tipos de riscos são:

· G: comportamento ao fogo;

· H: calor por contato;

· I: calor convectivo;

· J: calor radiante;

· K: pequenas porções de material fundido;

· L: grandes porções de material fundido.

Assim, as luvas mais indicadas para altas temperaturas são feitas de pele natural, como raspa e vaqueta ou mesmo fibras de aramida e meta aramida, mais conhecidas como Kevlar (criado pela DuPont).

Entretanto, se você trabalhar em local onde os riscos térmicos acontecem devido ao frio, as informações para escolha da luva que deve conhecer são:

· M: resistência ao frio convectivo;

· N: resistência ao frio de contato;

· O: impermeável a água.

Neste caso, as luvas para temperaturas baixas são feitas a partir de fibras sintéticas, revestidas com material polimérico e podem ter o revestimento interno para evitar a absorção de água.

Depois de saber isso, você já estará um passo mais próximo de escolher a melhor luva para o seu trabalho disponível no mercado.

Assim, tenha por base que a segurança é essencial para essa escolha, sendo que nunca deve ser escolhida uma luva que você não tenha as informações referente a material de produção e informação de segurança.

Quando a segurança dos riscos térmicos não é evidente

Um detalhe importante que deve ser pensado no momento de escolher uma luva é ter em mente que você pode não ver a segurança, o que não significa que ela não existe.

Em outras palavras, as informações de segurança referente ao seu meio de trabalho foram testadas várias e várias vezes.

Logo, novos tipos de luvas vão surgindo no mercado, com outros materiais base, cores, especificações e muito mais.

O problema é que você não vai ver exatamente toda essa segurança que ela promete oferecer, mas sim uma luva, como outras disponíveis na prateleira.

Diante disso, é importante buscar referências em relação a marca ou empresa que fabrica, para entender melhor quais foram os testes realizados.

Através de um fornecedor experiente, ajuda da empresa ou até mesmo de outros colaboradores e funcionários, você consegue fazer uma escolha que seja mais assertiva.

O ideal é não ter pressa, entender os riscos e então partir para o passo de qual luva escolher para lidar com os riscos térmicos da sua atividade.

Depois de ler esse post, tenho certeza de que ficou muito mais fácil entender e escolher a melhor luva para o seu trabalho não é mesmo?

Aproveite para compartilhar as suas dicas e experiências com nossos leitores ou mesmo o que gostaria de ver aqui na página.

Continue a sua leitura com 4 dicas para a Gestão de EPIs

Registre-se
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments


    Faça parte da nossa rede de contatos

    Estamos sempre em busca de novidades sobre equipamentos de segurança. Cadastre-se para recebê-las em seu e-mail.